O Sindicato dos Estabelecimentos Prestadores de Serviços de Saúde de São Luís (SINDHOSP/SL) e a Confederação Nacional de Serviços de Saúde (CNS) realizaram na última terça-feira (12), um seminário sobre a reforma trabalhista.

O evento foi dirigido a empresas associadas e não associadas ao Sindicato, que estiveram representadas por gestores, assessores jurídicos e profissionais de recursos humanos, que receberam orientações e esclarecimentos quanto às principais mudanças trazidas pela PLC 38/2017, conhecida como "Reforma Trabalhista" que modificou a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas) e vai proporcionar uma nova dinâmica na relação trabalhista.

O presidente do SINDHOSP/SL, Pedro Wanderley de Aragão, integrou o grupo de diretores da Fenaess que participou do curso Media Training - O Relacionamento com a Imprensa, que foi ministrado pelo repórter da Tv Globo, Júlio Mosquera, e pelo jornalista e consultor de gerenciamento de crise, José Carlos Tedesco.

O presidente do SINDHOSP/SL, Pedro Wanderley de Aragão, vai participar do V Fórum de Saúde, que reunirá representantes das Federações e Sindicatos de todo país que compõe a Confederação Nacional de Saúde, além de convidados, autoridades e especialistas do setor. O evento acontecerá no Kubitschek Plaza Hotel, com programação realizada durante todo dia 29 de novembro.

Estudo recente do Ministério da Saúde mostra que em 10 anos índice cresceu 61% em maiores de 18 anos que moram em capitais. Ter hábito saudável é essencial para controlar a doença.

Os delegados representantes dos sindicatos filiados à FENAESS participaram no último dia 8 de novembro, da eleição para a nova diretoria da Federação para o triênio 2017-2020. Com votação em chapa única, Dr. Breno de Figueiredo Monteiro, foi reeleito para o cargo de presidente da Federação. O SINDHOSP São Luís ocupa um dos cargos.

É incrível como, mesmo com toda a movimentação contra, o governo insiste em prosseguir em uma coisa que não tem como dar certo. Um projeto falido continua tramitando como um zumbi. Natimortos mais previsíveis que os planos populares não existem! Para quem ainda não se deu conta ou não teve tempo de assuntar, vale a pena entender o que nos espera. A proposta é criar 3 novos tipos de planos, todos com regulamentações específicas. Só isso já é dá a dimensão do tamanho da encrenca: se hoje um único Rol da ANS (que por si já é um absurdo – não deveria existir Rol), imagine o que vai acontecer quando tivermos 4. Que Deus tenha piedade da população para entender cada um deles.

Página 1 de 7